Joel Marinho

 

O incansável guerreiro



Textos


O PASSARINHO INVEJOSO E O AMOR DO IRMÃO
POR JOEL MARINHO
Repostagem de 2018 que foi transformado em vídeo. Link do Youtube no final do texto.

Caros leitores amigos
Sigam-me com atenção
A história que vou contar
Parece coisa do "cão"
A inveja de um passarinho
Com o seu querido irmão.
 
Eles nasceram em um ninho
Lá dentro do matagal
Chocados por sua mãe
Com muito amor fraternal
E o pai sempre preocupado
De tratá-los como igual.
 
Foram crescendo e sorrindo
E os pais com muito amor
Ensinaram os passarinhos
A voar sem ter temor
Porém desde pequenino
Só um mais se destacou.
 
O nome dos dois viventes
Tenho que aqui detalhar
Um se chamava Vicente
E o outro era Omar
Omar ficou P da vida
Ao ver Vicente voar.
 
Pois Vicente logo cedo
Começou bater as asas
E Omar o invejava
Porém pouco praticava
Queria voar sentado
Sem ter trabalho de nada.
 
Vicente voava longe
Para buscar sua comida
A tarde quando voltava
Estava feliz da vida
Dormia cantarolando
Sorrindo sem fazer birra.
 
E Omar bem preguiçoso
Queria tudo na boca
Descia da sua árvore
Comia cigarra rouca
Sonhava em ganhar o mundo
Mas a coragem era pouca.
 
Enquanto isso Vicente
Conheceu muitos lugares
Passeava pelo chão
Porém seu mundo era os ares
Descobriu terras distantes
Aprendeu caçar nos mares.
 
Desenvolveu cantoria
Seu canto era genial
Quando seu bico abria
Para cantar seu sarau
Encantava as passarinhas
Virou astro musical.
 
Seu irmão Omar ficava
A ponto de morder gente
Seu coração palpitava
Qual veneno de serpente
Foi então que planejou
Matar seu irmão Vicente.
 
Um dia ele amanheceu
Com o ar de amigão
Abriu as asas abraçou
Com força o Vicentão
Dizendo hoje eu quero
Voar contigo, irmão.
 
Vicente surpreendeu-se
E achou muito legal
Mesmo estranhando o carinho
Nunca tinha visto igual
Mas abraçou o irmão
Em uma zorra total.
 
Saíram os dois alegres
Mas naquele coração
Do malvadeza Omar
Fervia como um vulcão
Pensando naquele dia
Acabar com seu irmão.
 
Mas Omar era preguiçoso
Não queria se cansar
Pediu então ao Vicente
Naquela árvore sentar
Queria comer um pouco
E aproveitar pra cantar.
 
Omar viu um alçapão
Então a coisa mudou
Viu comida a vontade
Sua vista clareou
Vicente gritou não vá
Porém ele disse vou.
 
Além de muito invejoso
Era teimoso demais
Quando dizia uma coisa
Nunca voltava atrás
Foi aí que escapuliu
Nas garras de satanás.
 
Ali o tempo fechou
Caiu Omar no alçapão
Chegou logo o caçador
O colocou-lhe a mão
Foi fazer mal a Vicente
E caiu numa prisão.
 
Vicente perdeu a voz
Não teve mais cantoria
Seu coração lastimava
Sua cabeça doía
Salvar Omar da prisão
Era o que ele mais queria.
 
Então ficou perseguindo
Aonde ia o seu irmão
Onde a gaiola ficava
Omar naquela prisão
Para ganhar seu alpiste
Cantava triste canção.
 
Vicente mesmo sabendo
Da inveja do irmão
Procurava dar um jeito
Tirar daquela prisão
Queria de volta Omar
Pois tinha bom coração.
 
Acompanhava de longe
Uma triste melodia
Omar querendo imitar
Vicente, mas não sabia
A tristeza aumentava
Depressão lhe consumia.
 
Um dia o caçador
Vacilou por um momento
Colocou sua gaiola
Lá no meio do relento
Pra alegrar seu passarinho
Pegando um pouco de vento.
 
Vicente chegou ligeiro
Omar quase desmaiou
Percebeu sua maldade
Vicente então lhe falou
Segura a tala com bico
Fugiremos desse horror.
 
Com aquela força tarefa
Um buraco se abriu
Omar com as asas tropas
Tentou voar e caiu
Tanto tempo na gaiola
Parte das penas sumiu.
 
Vicente o equilibrou
Com um lado só da asa
Fez força e levantou
Indo ao rumo de casa
Lá chegando foi cantando
Daquele jeito que arrasa.
 
Omar muito arrependido
A Vicente pediu perdão
Deram as asas e se abraçaram
Dessa vez com união
Com um amor nunca visto
De irmão para irmão.
 
Inveja é coisa do Diabo
Navega em mentes do mal
Veleja nas ondas bravas
Espalha dores fatal
Jaz no inferno o invejoso
Arde no fogo mortal.
 
Ame mais seu semelhante
Mostre mais felicidade
Ignore a ignorância
Zele pelas amizades
Adeus ódio, adeus inveja
Deixe pra lá as pelejas
E viva sem falsidade.

https://youtu.be/Ba5zkNIWj7U

 

 
Joel Marinho
Enviado por Joel Marinho em 28/07/2020


Comentários


 
Site do Escritor criado por Recanto das Letras